ADRIANABARRETO
 
Adriana Barreto: Silêncio pendular

Adriana Barreto (n. Rio de Janeiro, 1949), apresenta o novo projecto “Silêncio pendular”, 2016, de o qual segue a sua linha de investigação sobre o conceito de performance como plataforma que cria espaços de relações onde os espectadores deixam de o ser meros espectadores para passarem a ser participantes e componentes fundamentais da obra.

“Silêncio pendular” é um convite que Barreto nos faz para sermos parte da acção, na qual teremos a oportunidade de tomar consciência do nosso movimento interno num espaço de recolhimento. A sala principal da Appleton Square é convertida numa instalação composta por uma peça sonora e uma estrutura formada por vários espelhos que rodeiam uma plataforma em movimento. Antes de entrarmos na instalação deixaremos para trás os nossos pertences, a velocidade da vida do dia-a-dia e tudo aquilo que nos ocupa. A artista oferece-nos um pêndulo de cristal de quartzo, elemento de comunicação e de luz, e convida-nos a acompanhá-la caminhando em silêncio.

Durante vinte minutos caminhamos em silêncio, escutamos o nosso interior, sentimos o contacto com o pêndulo, acompanhados pelo ritmo da voz da artista. Observamo-nos a nós mesmos e ao nosso interior. Os espelhos e as aberturas que rodeiam o espaço criam uma multiplicação de imagens que levantam questões sobre quem observa e quem é observado. Serão oferecidas 6 almofadas, que nos convidam a aceder em turnos ao interior da estrutura pendular espelhada. Sentados acompanharemos Barreto na busca para entrar em contacto com os nossos movimentos que nos são quase sempre imperceptíveis, simbolizados pelo movimento do pêndulo.

“Silêncio pendular” é uma reflexão sobre o estado de imobilidade versus mobilidade, fazendo-nos tomar consciência do movimento do universo à nossa volta e do nosso movimento interior.